Carlo Maria Martini – Evangelho de João (13) JESUS ​​ANTES de Pilatos e a morte do Crucificado (2023)

PDF-Texto:

Décima Terceira Meditação
JESUS ​​PERANTE PILATOS E A MORTE DO CRUCIFICADO

Para facilitar a nossa meditação sobre o sofrimento de Jesus, gostaria que examinássemos juntos o episódio central do sofrimento (18,28 - 19,16): A passagem acabouJesus foi chamado Pilatos;Vejamos então o episódio que se segue à morte de Jesus. Segundo John, há dois momentos marcantes na reportagem.

Extraído deJesus foi chamado de Pilatosé muito complicado e demorado, como já indiquei; Aliás, quem lê não pode deixar de pensar que João – que escreve em estilo hierático – fala demais aqui. Há até uma sensação de plenitude: são quase 30 versículos para contar alguns fatos certamente fundamentais (a condenação de Jesus à morte) mas que Marcos nos conta em quase metade do espaço. Os judeus vão a Pilatos para que Jesus seja julgado; Pilatos questiona Jesus e não consegue se convencer de sua culpa; ele tenta libertá-lo por aclamação, mas o povo prefere Barrabás; Pilatos açoitou Jesus; os soldados zombam dele como o rei da comédia; Finalmente, Jesus deixa o pretório e vai para o Calvário. Os fatos são contados aqui. O que John quer dizer ao contá-los de maneira tão extensa e tediosa?

Como tantas vezes, os exegetas discordam. Alguns quiseram ver a intenção de João nesta cena para descrever o drama psicológico da indecisão humana: Pilatos, confrontado com a verdade, não escuta, não se convence e acaba se deixando levar pelos acontecimentos. Por isso Pilatos estaria no centro do drama, ou seja, o ser humano: as trevas diante da luz. Outros preferem descrições como João, que insiste em um drama teológico-político centrado em 19:11: "Você não tinha poder sobre mim, a menos que fosse dado a você de cima." A frase "de cima" é interpretada como uma referência a autoridade romana. Nesse caso, o tema seria coerente com o que o apocalipse desenvolverá: a oposição entre reino e igreja. Na verdade, todas essas interpretações parecem acrescentar algum interesse posterior ao texto.

Em vez disso, precisamos ler o texto objetivamente para ver o que João está querendo dizer ao descrever esse momento tão dramático na vida de Jesus. Dissemos que, ao contar esses fatos, João dá a impressão de uma certa plenitude. Já alguns exegetas do século passado, que ainda não haviam analisado a fundo a passagem, notaram uma menção frequente e quase lânguida de Pilatos entrando e saindo várias vezes do pretório: as idas e vindas de Pilatos quase determinam o ritmo da história. . E aqui me refiro ao versículo 29.33.38 do capítulo 18; de acordo com (19.1 é dado implicitamente) do capítulo 19 e seguintes 4.9.13; Em todos esses movimentos de Pilatos fala-se de:

(Video) VEJA COMO MORRERAM OS 12 APÓSTOLOS DE JESUS CRISTO

18,19: Pilatos sai do pretório e vai ao encontro dos judeus; Versículo 38: Ide novamente falar aos judeus sobre Barrabás; 19:1: Pilatos mandou açoitar Jesus (o retorno seria o único ponto não mencionado explicitamente); Versículo 4: Saia e apresente Jesus e diga: "Aqui está o homem"; Versículo 9: Volte para perguntar mais a Jesus; finalmente, versículo 13: Saiam e proclamem a condenação de Jesus.

Há, claro, uma razão histórica que explica esses movimentos de Pilatos: os judeus não podiam entrar em um lar gentio sem lidar com a impureza legal que teria impedido a participação nos ritos sagrados que deveriam começar naquela tarde; Portanto, querendo evitar qualquer poluição, eles permanecem fora do palácio. Jesus, por outro lado, como acusado, não está sujeito a esses escrúpulos e, portanto, é levado à sala de audiências; A consulta ocorre parcialmente dentro e parcialmente fora. Pilatos anda de um lado para o outro em respeito aos judeus que trouxeram Jesus até ele.

A partir dessa constatação histórica, porém, parece haver um aprofundamento estilístico-teológico que resulta da intenção específica do evangelista de distinguir entre si diferentes cenas. Há pelo menos duas razões que parecem apontar para isso.

A primeira decorre da constatação de que, com esse tipo de narração “em blocos”, alguns acontecimentos da Paixão, mesmo muito graves como a flagelação, ficam na sombra ou são mencionados apenas de passagem, tocando apenas brevemente no contexto das várias cenas. . Em primeiro plano está de um lado a figura de Jesus, sozinho e quase mudo na sala de audiências, do outro lado o povo gritando e Pilatos no meio.
A segunda razão para entender as coisas dessa maneira pode derivar do fato de que os relatos da entrada e da saída de Pilatos se sucedem em intervalos regulares, como se esquadrinhassem um ritmo (como já estabelecemos).

Agora, se seguirmos a trama até o fim de acordo com o ritmo proposto, encontramos sete cenas diferentes; Todo o episódio mostra, portanto, um desenvolvimento crescente e sequencial, culminando na sétima cena em que Pilatos diz: "Eis aí o teu rei" (19,14). Além de temas sérios - como a flagelação, pouco mencionada - "todo o episódio procura ilustrar e celebrar a realeza de Jesus".
Dispondo as sete cenas na ordem dada na tabela, pode-se também facilmente ver que entre a primeira (1) e a sétima (7), entre a segunda (2) e a sexta (6), entre a terceira (3) e o quinto (5), enquanto o quarto permanece no meio (4). Eu diria que não só a última cena (Jesus é rei) tem um valor especial, mas a quarta cena (a coroa de espinhos) também tem um valor especial: a farsa de uma coroação real. Portanto, nosso texto tem uma estrutura parcialmente ascendente e parcialmente concêntrica, que talvez pareça muito barroca ao nosso gosto; O facto é que aqui encontramos o resultado de uma meditação que interioriza e confronta os acontecimentos, até chegar a uma expressão verbal que os une no mesmo ritmo das palavras, com o objetivo de contribuir para o repensar e a reflexão.

Dissemos que as cenas correspondem às palavras iniciais, que são as mesmas para todos os pares de cenas (ou seja, a primeira e a sétima, a segunda e a sexta, etc.). Eles também respondem na hora: O primeiro e o sétimo se desenvolvem do lado de fora, na frente do povo; o segundo e o sexto no palácio; e o terceiro e o quinto novamente para o povo.
Além disso, coincidem no conteúdo: a primeira e a sétima são cenas da negação de Jesus, nas quais se exige sua morte; A segunda e a sexta são cenas em que Jesus fala e têm como tema o reino e a realeza, de modo que cada vez mais surge a questão central, a saber: Como Jesus é rei? Qual é o verdadeiro reinado de Jesus? A terceira e a quinta cenas contêm duas declarações de Pilatos sobre a inocência de Jesus.

(Video) Francisco e a teologia em saída

Em suma, todo o processo gira em torno de Jesus. A complexidade da forma não tem outro propósito senão encorajar uma melhor compreensão do que está por trás dos fatos da história e capturar exatamente o que eles significam. Fica claro, portanto, que a estrutura ascendente enfatiza a sétima cena ("Eis aí o teu rei"), enquanto a estrutura concêntrica da cena enfatiza a coroação de Jesus.

Assim, dois momentos reais são previstos para a atenção de quem assiste a essas cenas. Então começamos a perceber que a realeza é a questão que mais preocupa o João. Portanto, a questão temática básica pode ser formulada da seguinte forma: O que é?A verdadeira realeza de Cristose, quando quiseram fazê-lo rei, ele tivesse fugido quando os fatos e as circunstâncias ainda o proclamavam rei? Ou em outras palavras: Onde está realmente Cristo, o Messias? Onde ocorre a plenitude do triunfo messiânico? Onde está a glória de Deus manifestada no triunfo messiânico do rei? A resposta mais imediata que vem à mente, é claro, é a ressurreição. Mas João quer que ultrapassemos esta primeira resposta e mostremos a nós mesmos que Cristo já reina realmente na Paixão e que, portanto, o mistério pascal já está acontecendo.

Agora vamos ver qual gradiente de cores o tema deve ter nas diferentes cenasverdadeira realeza cristã.Na segunda cena, é Jesus quem se declara rei perante Pilatos, embora com uma realeza especial ainda não especificada; O assunto é apresentado como real e misterioso ao mesmo tempo. Na quarta cena, que é central para as outras cenas, Jesus é coroado de espinhos, vestido de púrpura e saudado como rei. uma cena em que o historiador lê desgraça, desgraça e desprezo; João, por outro lado, vê uma mudança nesta cena e reconhece seu significado transcendente: Jesus se manifesta como rei, e os soldados, quando pensam que o estão humilhando, realizam o desígnio da salvação.

Nesta realidade desonrosa da realeza de Cristo, é o amor de Deus que se manifesta entre nós, é a glória de Deus. Na cena seguinte, a quinta, mostra-se a Jesus o distintivo real. Mas Pilatos ainda não diz: “Eis o vosso rei”, como dirá no final, mas diz: “Eis o homem.” Que desenvolvimento mostra esta declaração de Pilatos? Provavelmente em nível histórico, estas palavras mostram alguma compaixão por Jesus: "Aqui está este pobre homem, o homem de quem se fala com tanto medo". nessas palavras um sentimento de desprezo pelos judeus: "Aqui está o homem que quer eliminar tão perigoso quanto turbulento". têm um significado mais profundo.

Sim, Jesus não é chamado de "homem" da mesma forma como quando foi apresentado a Pilatos, que saiu e disse: "Que acusação você tem contra ele?"este homem?"(18.29), mas é mencionado no sentido plenoho' anthropos:„EisO homem".E essa frase é dita do homem que está ali, o homem que usa a coroa de púrpura, que é chamado na mesma passagem "aquele que se faz filho de Deus". João - uma alusão ao título "Filho do Homem": Aqui é predito o homem, o homem que havia de vir, que por seu título "Filho do Homem" evoca a autoridade judicial e real do poder do Messias. Em outras palavras, João vê a humilhação de Cristo como um sinal do misterioso poder do Filho do Homem presente na terra. Nesta contemplação ele vê a "coincidentia oppositorum" que é o sinal das obras divinas. Deus havia prometido esse misterioso "Filho do homem", juiz e rei; Agora ele está aqui e em seu estado de vergonha está exercendo seu julgamento sobre a humanidade.

Finalmente, a última cena, a sétima, começando com o versículo 13. É recitado com particular solenidade. Em primeiro lugar, o João vai chamar-nos a atenção para o local onde tudo se passa: estamos do lado de fora, num local chamado “litróstoto” em hebraicoGabbata,provavelmente um lugar elevado então conhecido que atrai os olhos e a mente do leitor. Em segundo lugar, é importante que João indique o momento: Estamos na sexta hora, o tempo de preparação para a Páscoa, o tempo em que o cordeiro pascal será sacrificado. É nesta hora que acontece o grande mistério que reconhece a verdade dos sinais confirmados no templo.

(Video) A HISTÓRIA DO CÂNON BÍBLICO – História do Cristianismo 02 ✝

Tudo isso nos leva a crer que realmente estamos prestes a presenciar um acontecimento de grande importância. Do ponto de vista histórico, trata-se da condenação de Jesus à morte: um ato histórico vergonhoso, um ato de maldade e injustiça. Pilatos toma seu lugar no tribunal, apresenta Jesus como o Rei da Comédia e depois o crucifica. Pelo menos é o que aparece depois de uma primeira leitura óbvia da passagem. Mas se lermos nosso versículo com atenção, perceberemos pelo menos dois detalhes:
1. a condenação não existe de fato porque determinada sentença não foi proferida;
2. Há uma frase que tem feito pensar os exegetas, e que alguns deles deliberadamente consideram ambígua: é a fraseEkathisen epi bematosno v. 13 traduzido da Vulgata “sedit pro tribunali”; enquanto a frase era geralmente entendida para denotar Pilatos sentado no tribunal, dado o nome próximo de Jesus e a possível atribuição de um valor ativo ao verboEkathisen,Parece que Pilatos "abandonou Jesus" no sentido de que o sentou no banco. Na verdade, a Bíblia Ecumênica diz: “Ele tirou Jesus e o colocou em uma plataforma.” A impressão que temos dessa cena é que quem parecia ser julgado é na verdade quem está atualmente governando os juízes da humanidade. Ou seja, o episódio que termina no nível histórico com a condenação de Cristo, no nível interpretativo - dada a presença do poder julgador e real que convém a Cristo como Filho do Homem e sobre o qual João medita - a glória do poder de Cristo Cristo brilha na humilhação de sua morte.

Aqui podemos estar no limite da análise exegética, o limite da exegese para o virtuosismo exegético. Mas muitos exegetas acreditam estar na verdadeira interpretação de João: João tem uma aparência tão paradoxal - porque ele conhecia o mistério de Deus, que é paradoxal sobre toda ação humana - que ele é levado a ler até mesmo as mais terríveis para ler as circunstâncias que cercam a morte de Jesus, sinal do cumprimento de sua missão messiânica; Jesus revela o amor do Pai de maneira tão inaudita que, em virtude desse amor, se torna Rei e Messias, e assim fonte de salvação para a humanidade, quer ela o aceite, quer o rejeite.

Eis, portanto, a entronização messiânica de Jesus, que se realiza no momento em que cumpre a sua missão fundamental, que é demonstrar o amor do Pai pelos homens através da doação de si mesmo. O evangelista João apresenta-nos no seu evangelho o dramático conflito entre a luz e as trevas que nos conduz ao clímax onde as trevas parecem triunfar: é a hora mais escura da humanidade; Mas no momento em que a humanidade tenta expulsá-lo, Cristo realmente reina e triunfa. O que acontece diante de Pilatos representa um sinal no qual o historiador lê a morte; o crente, ao contrário, lê ali o cumprimento da verdadeira missão de Jesus, seu triunfo.

Esse conjunto de paradoxos pode nos levar a refletir sobre a mutabilidade paradoxal da vida cristã, da nossa própria vida: Deus reina por nós em situações aparentemente paradoxais, principalmente na mais paradoxal de todas, que é a morte. Por ocasião da morte somos chamados a revelar a glória de Deus, não através de palavras que não a exprimam, mas através da própria realidade do acontecimento, que nos liga ao momento em que Cristo se entregou por nós.

Ao ponderarmos o significado mais amplo que a realeza de Cristo pode ter, podemos voltar nossa atenção para a doutrina sinótica do reino de Deus. O que significa "Reino de Deus" ou "Reino do Pai"? Isso significa que Deus está no centro de toda realidade e toda realidade é perfeitamente ordenada sob o governo divino. Este é o "reino de Deus" que Jesus quis estabelecer. Segundo o ensinamento de João, esse domínio é dado a Jesus quando ele exerce o ministério supremo da caridade e da verdade. Então as palavras de Jesus sobre "atração" também serão cumpridas.

Jesus não governa dominando, isto é, estendendo sua influência de pessoa para pessoa por meio do poder do alto, mas atraindo. Resplandecendo dentro de si o amor de Deus pela humanidade desolada, Jesus é capaz de atrair a si qualquer um que saiba ler este sinal, muito parecido com o do Filho - a certeza de ser amado por Deus.

(Video) Santa Missa

Como consideração final, sugiro que você estude a passagem imediatamente após o relato da morte de Jesus na cruz (19:31-37). Já estamos no fim da paixão. Tudo está pronto. Jesus está morto; não havia mais nada para contar. Mas depois que tudo acabou, João ainda quer nos dizer algo que nos ajudará a entender melhor a morte de Jesus.

Jesus está morto; Sua morte cumpriu as escrituras e completou sua obra. Mas o que significa sua morte? Também aqui, de uma forma tipicamente joanina, que nos pode parecer um pouco estranha, o evangelista adivinha o sentido transcendente do acontecimento num simples detalhe anatómico. O fato histórico em si é muito simples e bastante plausível. O dia de sábado está próximo; É necessário que os condenados não permaneçam na cruz. Segundo o costume da época, era preciso quebrar as pernas.

Esta prática foi dramaticamente documentada quando os ossos de um homem crucificado foram descobertos há alguns anos em uma tumba perto de Jerusalém: é a primeira vez na história da arqueologia que os ossos de um homem crucificado foram encontrados, principalmente no osso da perna. , a partir da qual também foi possível reconstituir a posição do Crucificado, que remonta mais ou menos ao tempo de Jesus: provavelmente estava entre os que – diz José Flávio – foram crucificados em grande número em torno de Jerusalém pouco antes de 70 DC. Chr. NOK O resultado da investigação deste achado arqueológico é realmente impressionante, porque nos ossos do condenado pode-se ler toda a estrutura da cruel tortura da cruz. Este condenado vê o buraco no prego e também o osso quebrado praticado após a condenação.

De certa forma, John está aludindo a um fato de uma crônica. No entanto, a perna de Jesus não está quebrada, apenas o golpe é encenado para garantir que ele esteja morto. É uma lança no lado. O seguinte é difícil de interpretar do ponto de vista médico, mas pelo menos parece plausível: junto com o sangue, sai algo como água. No entanto, João não quer insistir na causa desse fato - se é milagroso ou não -, mas o considera um episódio de Crônicas e busca seu significado nas Escrituras. E então ele se pergunta o que essas coisas que aconteceram depois da morte de Jesus poderiam significar. "Nenhum osso é quebrado" (cf. x 12,46), e João pensa no Cordeiro pascal e, portanto, na cruz de Jesus, recorda-nos o verdadeiro sacrifício de Israel, com o qual se cumpre toda a expectativa do Templo. plenamente cumprido: O templo que deve ser destruído e reconstruído é o próprio Jesus, onde ocorre o sacrifício do verdadeiro Cordeiro.

Mais misteriosa é a segunda profecia: “Eles se lembrarão daquele que traspassaram (cf. Zc 12,10). Historicamente, isso se aplica aos soldados e aos que assistiam, e talvez também ao discípulo que viu como testemunha com sinal de curiosidade sobre a última corrente de vida do crucificado. Mas o pensamento de João é dirigido através das palavras da profecia a toda a humanidade, que considerará o Crucificado como a plena manifestação do Deus que é por nós, de Jesus Cristo, que é o máximo do seu amor por nós.

Embora o mistério do sangue e da água não seja comentado nos textos bíblicos de João, é expressamente enfatizado: "Aquele que viu dá testemunho, e o seu testemunho é verdadeiro, e ele sabe que fala a verdade, para que também acredita.” Certamente tem significado. Qual? Os exegistas sugerem vários. O João é tão rico em pistas que nunca tem uma só palavra na cabeça: tem duas ou talvez três de cada vez; e todos eles são bem explicados. Vida; é o dom do Espírito; e também na interpretação do batismo do capítulo 3 é o sacramento do batismo. O sangue derramado na morte é o sangue do qual Jesus disse: "Quem beber o meu sangue terá a vida neles" (6:54). Por tudo isto, da cena que João nos apresenta surge um primeiro sentido: da morte de Jesus nasce a vida sacramental: o Baptismo e a Eucaristia. A Igreja reconhece receber estes dons do Senhor crucificado.

(Video) SÓ ASSISTA SE PUDER AGUENTAR O TRANCO by Jan Val Ellam

A cena provavelmente também tem outro significado que a profecia de Ezequiel enfoca: como, de acordo com a promessa (Ezequiel 47:1-12), fontes de água viva fluiriam do novo templo - e Jesus insere esta palavra no capítulo 7 - então agora flui deste novo templo, que foi destruído e agora será reconstruído, a nova água do espírito e da vida. Em Jesus temos o sacrifício perfeito, o templo perfeito, a vida da igreja. Talvez John não tenha levado explicitamente sua meditação a esse ponto; mas afirma-se claramente que a vida sacramental procede de Jesus e que a Igreja nasce desta vida sacramental do Senhor.

Podemos terminar a meditação pedindo a Jesus que nos mostre como esta estocada de lança - que parece humana: Mesmo na morte Jesus não é poupado, pois um destino implacável e mau os torna obstinados contra ele, não só na vida, mas também na morte - mostra a força daquele que o enviou à terra e a verdadeira força de Jesus, que aceita profundamente a sua missão e, através desta última humilhação que lhe foi infligida, dá vida à humanidade. São mistérios tão paradoxais e difíceis que só o nosso culto pode de alguma forma compreender o que essas referências joaninas nos inspiram, como uma reavaliação do significado cósmico, válido ao longo da história, do sacrifício único de Jesus no passo.

Evangelho segundo João
Carlos Maria Martini
Edições Loyola
S. Paulo - Brasil - 1980

Videos

1. DESCUBRA O QUE JESUS FOI FAZER NO INFERNO! Ele Pregou aos Espíritos em Prisão? - @LamartinePosella
(Pastor Antônio Júnior)
2. LAMARTINE POSELLA - Inteligência Ltda. Podcast #405
(Inteligência Ltda)
3. Gideões 2013 Pr Adão Santos O Pastor cego Gideões Missionários da Última Hora1]
(Diogo Regis)
4. NATAL: LAMARTINE POSELLA E SARAH SHEEVA - Inteligência Ltda. Podcast #693
(Inteligência Ltda)
5. A VERDADE SOBRE BENTO XVI e sobre a Igreja Ecumênica do Vaticano II - Frei Tiago com Prof. Nery
(Monte Carmelo)
6. 6º Domingo da Páscoa. Santa Missa 19h. 14-05-2023.
(Paroquia São Miguel Arcanjo - São Carlos-SP)

References

Top Articles
Latest Posts
Article information

Author: Twana Towne Ret

Last Updated: 08/10/2023

Views: 6106

Rating: 4.3 / 5 (64 voted)

Reviews: 95% of readers found this page helpful

Author information

Name: Twana Towne Ret

Birthday: 1994-03-19

Address: Apt. 990 97439 Corwin Motorway, Port Eliseoburgh, NM 99144-2618

Phone: +5958753152963

Job: National Specialist

Hobby: Kayaking, Photography, Skydiving, Embroidery, Leather crafting, Orienteering, Cooking

Introduction: My name is Twana Towne Ret, I am a famous, talented, joyous, perfect, powerful, inquisitive, lovely person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.